Banner

Guia On-line


Guia Patrocinados

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Artigos Paiva Netto LBV

PDFImprimirE-mail

Paiva-Neto-LBVArtigos Paiva Netto LBV

As mães e os filhos das mães


Paiva Netto

No opúsculo Mãezinha, deixe-me viver!, publicado em 1989, anotei que atravessamos época de transformações profundas. Daquelas que pesado tributo pagam ao exagero. É o vale-tudo. Nem as mães escapam. Chegou a ser de “bom gosto”, para alguns, falar-se mal delas... Certo pessoal anda mesmo é querendo ser filho da máquina, a boa senhora do computador... Eis a civilização do absurdo, que tanta coisa deseja sem saber o que verdadeiramente quer. “Vade retro!” Freud explica... Explica?! Porém tudo se altera e passa...

Lembro-me de que quando criança existiam bondes. E como era romântico trafegar neles nas “horas mortas”... Durante o “rush”, não! Havia uns pequenos cartazes que diziam assim: “Tudo na vida é passageiro, menos o condutor (o cobrador) e o motorneiro” (digamos, o motorista do praticamente extinto veículo elétrico, que as novas gerações talvez só conheçam nos museus). Agora a gente vê que até aquelas duas figuras, hoje folclóricas, também eram passageiras. Enganou-se, pois, o poeta marqueteiro...

Mas voltando ao assunto: sacudida a Árvore Sociedade, caídos os galhos secos, as folhas murchas, os frutos podres, que impediam seu correto desenvolvimento, a planta sempre rejuvenesce, torna a florescer. É a vitória da vida, o sucesso do Amor. Tudo passa, realmente passa, menos ele. Por quê?! Ora, por quê! Deus é Amor, e “nada existe fora Dele”, afirmava o libertário Alziro Zarur (1914-1979). Quem declarar que não quer ser amado (ou amada) está doente ou mentindo, o que resulta no mesmo...

Pensam que mãe não tem rima? Será?! Então secou-se-lhes a musa, ou saiu em férias... Mas não semelhantemente à famosa experiência de Guerra Junqueiro (1850-1923)...

Mãe faz rima perfeita com Amor.

A musa em férias
Por falar no velho Guerra, contam que o episódio assim se deu: o respeitado poeta português foi ao médico. Não sabia o que lhe cansava os ossos. O clínico, depois de examiná-lo com paciência, prescreveu ao cliente: “– Professor, o senhor não tem nada físico que um bom descanso não corrija. Viaje. Não faça nada, nem escreva, e tudo terminará bem. Pode confiar”. O vate prometeu que o faria. Contudo, o que acabou ocorrendo foi o seguinte: quando voltou do “descanso”, trazia um dos seus mais belos feitos para um novo livro: A musa em férias.

Homenagem
Separei um lindo poema de Casimiro de Abreu (1839-1860) para homenagear as mães do Brasil e do mundo, da Terra e do Céu da Terra, que tem justamente esta invocação: “Minha mãe”. Recordo-me de que Zarur, o fundador da LBV, o interpretava de forma magistral:

Minha mãe
“Da pátria formosa, distante e saudoso,/ Chorando e gemendo meus cantos de dor,/ Eu guardo no peito a imagem querida/ Do mais verdadeiro, do mais santo amor!/ – Minha mãe!

“Nas horas caladas das noites de estio,/ Sentado sozinho, co’a face na mão,/ Eu choro e soluço por quem me chamava:/ – ‘Ó filho querido do meu coração!’/ – Minha mãe!

“No berço pendente dos ramos floridos,/ Em que eu pequenino feliz dormitava,/ Quem é que esse berço com todo o cuidado,/ Cantando cantigas, alegre embalava?/ – Minha mãe!

“De noite, alta noite, quando eu já dormia,/ Sonhando esses sonhos dos anjos dos céus,/ Quem é que meus lábios dormentes roçava,/ Qual anjo da guarda, qual sopro de Deus?/ – Minha mãe!

“Feliz o bom filho que pode contente,/ Na casa paterna, de noite e de dia,/ Sentir as carícias do anjo de amores,/ Da estrela brilhante que a vida nos guia./ – Uma mãe!

“Por isso eu agora, na terra do exílio,/ Sentado, sozinho, co’a face na mão,/ Suspiro e soluço por quem me chamava:/ – ‘Ó filho querido do meu coração!’/ – Minha mãe!”


José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. — www.boavontade.com

--------------------------------xxxxxxxxxxxxxxxxxxx-------------------------

Mães, Lei Áurea e saúde


Paiva Netto

O Dia das Mães e da Abolição da Escravatura, comemorados em 13 de maio, nos conduzem a importantes reflexões. O zelo materno no cuidado da saúde dos filhos e o alto significado da Lei Áurea são dois simbolismos que devem iluminar as boas iniciativas de libertação do ser humano dos escravismos que lhe prejudicam a existência. Entre eles estão os comportamentos de risco, a exemplo da falta de critério na alimentação e do vício do fumo.

Recentemente, o Ministério da Saúde apontou que o número de pessoas acima do peso vem aumentando. E, apesar de os dados da pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) demonstrarem que o número de fumantes no país segue em queda, todos sabemos que muito há que ser feito. Vale ressaltar as palavras da diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan: “O Brasil é um líder no controle do tabaco, deve manter o bom trabalho”.

Quanto ao excesso de peso, é inegável que a falta de um bom planejamento alimentar e de exercícios físicos leva a população a pôr em risco o próprio bem-estar. O acesso à informação é fundamental para que tenhamos hábitos melhores. É na infância que se molda igualmente os bons costumes alimentares. Está mais que comprovado que o consumo exagerado de comida industrializada não faz bem ao organismo. Um cardápio saudável, rico em frutas, legumes e verduras, por exemplo, é um bom início para mudar esse quadro preocupante.

Acrescente-se a tudo isso a boa saúde de nossas Almas. Busquemos nas boas obras e na oração os nutrientes do Céu. Não podemos desprezar o Alimento Celeste, com o qual o Criador sustenta Suas criaturas. Deus é superior aos limites que o ser humano queira impor a Ele.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. — www.boavontade.com

-------------------------------XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX------------------------

Amor, Verdade, Trabalho, Justiça e Ecumenismo


Paiva Netto

“Deus é Amor” (Primeira Epístola de João, 4:8). Tudo Nele se origina e para Ele retorna. Sua Palavra, como revela Jesus na Oração ao Pai, é a Verdade (Evangelho, segundo João, 17:17). A Doutrina da Religião do Terceiro Milênio, portanto, é toda ela firmada sobre o Amor Ecumênico, que é Deus, e sobre a Verdade, que é a Sua Palavra, expressos no Trabalho, que resulta na Realização dessa filosofia redentora no mundo. Em sua famosa Epístola Universal, alerta Tiago Apóstolo (2:14 a 18 e 26):

“A Fé sem obras é morta
“14 Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo?

“15 Se um irmão ou uma irmã estiverem carecidos de roupa e necessitados do alimento cotidiano,

“16 e qualquer dentre vós lhes disser: Ide em paz, aquecei-vos e fartai-vos, sem, contudo, lhes dar o necessário para o corpo, qual é o proveito disso?

“17 Assim, também a fé, se não tiver obras, por si só está morta.

“18 Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as obras, te mostrarei a minha fé. (...)

“26 Porque, assim como o corpo sem Espírito é morto, assim também a fé sem obras é morta”.

Sem o Trabalho, coisa alguma toma forma. É imperioso que se junte ao esforço mental o das mãos; à filosofia, o cabo da enxada (…). Não basta conceber o Bem. Temos de realizá-lo sob a inspiração de Deus, que não é ódio nem fanatismo, porém Caridade.

Sem a Justiça Divina, todo o esforço do Amor e da Verdade, concretizados pelo Trabalho, estaria ameaçado pela dilapidação criminosa provocada pela ignorância espiritual, a maior inimiga do progresso das criaturas de Deus. Para que tal não se dê, mesmo que os seres humanos a neguem, não percebendo a ação caridosa do seu mecanismo, existe a Lei Universal da Reencarnação, princípio de Amor, que confere, segundo adverte Jesus, “a cada um de acordo com as suas próprias obras” (Evangelho, segundo Mateus, 16:27).

Eis a Economia Divina. É a Justiça de Deus, conduzindo a História. O Pai Celestial não se vinga. É que tudo na vida acarreta consequências. Ninguém evolui espiritualmente na irresponsabilidade e na maldade sem experimentar os duros percalços que acabam por afastar a criatura do erro.

Por isso, bradamos: quanto mais perto de Jesus, mais longe dos problemas!

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. — www.boavontade.com


Fonte:- LBV por Paiva Netto

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Banner
Banner

Cidade

Combustível começa a chegar a postos de Taquaritinga-SP
Combustível começa a chegar a postos d...
Rodeio Show Jaboticabal 2018
CONFIRMADÍSSIMO ...
Prefeito declara situação de emergência no Município
Prefeito declara situação de emergê...
Ponto facultativo Corpus Christi
Ponto facultativo Corpus Christi ...

Utilidades Sociais

Reflexão de Boa Vontade
Reflexão de Boa Vontade ...
Formatura de licenciamento dos atiradores matriculados em 2017
No sábado (25), foi realizada a formatu...
Artigos para Reflexão por Paiva Neto
Fraternidade realizadora e direitos hu...
Precisando de Empréstimo Rápido e Fácil
MG Empréstimo Seguro  ...

Gerais

Seis anos de Lei de Acesso à Informação e o terceiro setor
Seis anos de Lei de Acesso à Informa...
Artigos Paiva Netto LBV
Artigos Paiva Netto LBV ...
DENGUE ESTA LUTA É DE TODOS NÓS! FAÇA SUA PARTE!
O Departamento Municipal de Controle de ...